Você está em: Home >> Notícias >> Decisão de convocar Veja a explicar o elo com Cachoeira e seu bando avança na CPI
 
- Procurar Notícias  
 
 
 
Legenda:Policarpo Jr, Editor da Veja, e Carlos Cachoeira
23/05/2012 | Decisão de convocar Veja a explicar o elo com Cachoeira e seu bando avança na CPI

Primeiro embate mostrou despreparo da oposição

Liberdade de imprensa não dá salvo-conduto a organização criminosa

Parlamentares defendem na CPMI rigor e apuração sem privilégios

Até no Reino Unido, Murdoch foi investigado e chamado para dar explicações no parlamento

Cresce entre os parlamentares do Congresso Nacional, e particularmente entre os integrantes da CPMI, a convicção da necessidade de investigar a associação de Policarpo Jr, diretor da revista Veja, com a quadrilha de Carlos Cachoeira. As últimas revelações das armações entre Policarpo e Cachoeira, entre elas a que mostra Cachoeira plantando na Veja ataques ao Ministro dos Transportes por este ter tomado medidas de controle sobre obras da Delta, são cada vez mais comprometedoras.

“Todos devem ser investigados no setor público, privado e na imprensa. Sem paixões e sem arroubos. Nós vamos descobrir muitas coisas quando forem feitas as quebras de sigilo – o fiscal, por exemplo. Devemos apoiar sempre a liberdade de expressão. Mas, não podemos confundi-la com uma organização criminosa. Para o bem da sociedade e da própria liberdade de expressão”, declarou o presidente da Câmara, deputado Marco Maia (PT-SP).

Na mesma direção argumentou também o senador Roberto Requião (PMDB-PR). “A CPI sem a Delta ou a CPI sem a Veja não é CPI nenhuma. Não serve para nada”, disse o senador, em aparte ao discurso do senador Pedro Simon (PMDB-RS). O senador Fernando Collor, por sua vez, chegou a apresentar, na quinta-feira (17), atabalhoadamente é certo, um requerimento solicitando todas as gravações feitas entre Policarpo e Cachoeira. O relator da CPMI, deputado Odair Cunha (PT-MG), argumentou que as gravações de Policarpo já estão incluídas no HD bruto, já solicitado ao STF e à PF, contendo todas as gravações feitas pela Polícia Federal com autorização da Justiça. A proposta não chegou a ser votada.

O deputado Miro Teixeira (PDT-RJ) considerou o requerimento de caráter “persecutório” e reforçou sua tese, já diversas vezes manifesta, de que a “convocação de um jornalista constitui atentado à liberdade de imprensa”. Somaram-se a dele às defesas do líder o PSDB no Senado, Álvaro Dias (PR) e do senador Pedro Taques (PDT-MT). O último considerou o requerimento como “inconstitucional”. Se dentro da CPMI cresce a ideia de convocar a Veja e o Policarpo para testemunharem, fora dela a revista continua fazendo carga pesada contra as investigações de Policarpo tendo neste tema “O globo” e a “Folha” como cúmplices. O pretexto usado por eles, e repetido pela oposição tucana, e até por oportunistas como Miro Teixeira, é de que isso seria um ataque à liberdade de imprensa.

Respondendo à essa afirmação, o líder do PT na Câmara, deputado Paulo Teixeira (PT-SP), afirmou que há liberdade de imprensa no Brasil, mas que não se pode confundir liberdade de imprensa com cometer crimes. “Políticos que cometem crimes têm que ser investigados. Nenhuma profissão pode cometer crime. O que nós estamos fazendo aqui é investigar um jornalista que manteve permanentemente relação com um criminoso. Esse jornalista teve uma relação de dez anos com o esquema criminoso, relação essa permanente. O que nós queremos é investigá-lo”, ponderou.

“O Reino Unido acabou de julgar o seu jornal e o seu jornalista e quem o fez? Foi o parlamento. E o parlamento brasileiro hoje tem poderes judiciais e não pode deixar de investigar”, destacou. “Esse jornalista está sendo investigado. Não há pré-julgamento. Se não estivesse sendo investigado não haveria as ligações reveladas pela Polícia entre ele e o contraventor. Esse jornalista há sete anos esteve numa comissão do Conselho de Ética da Câmara para depor a favor de quem? Depôs aqui nesta Câmara a favor do senhor Carlinhos Cachoeira”, prosseguiu Teixeira.

O senador Humberto Costa (PT-PE), líder da bancada do PT no Senado, criticou o fato de parte da Comissão querer blindar o jornalista. “Não há intocáveis aqui. Tudo virá à tona”, acrescentou. Mais tarde, ao fazer a defesa da quebra dos sigilos da filial da construtora Delta no Centro-Oeste, foi a vez do deputado Cândido Vacarezza se posicionar: “Se, no decorrer dos trabalhos, encontrarmos links com qualquer pessoa que seja, inclusive o Policarpo, nós vamos investigar”.

Líder do PSOL na Câmara, o deputado Chico Alencar (RJ) se somou aos parlamentares como Fernando Ferro (PT-PE), Protógenes Queiroz (PCdoB), Iris de Araujo (PMDB-GO) e outros e disse que “se ficar comprovado que há um esquema espúrio de seleções de matérias para atender aos interesses do crime organizado, aí sim o jornalista terá que ser investigado pela CPMI”. Já o deputado Miro Teixeira (PDT-RJ) saiu em defesa da associação da Veja com o crime e considerou o requerimento de caráter “persecutório”.

SÉRGIO CRUZ

Publicado no Jornal Hora do Povo, edição 3.058

 

 
Últimas Notícias
 
03/07/2017   -- Trabalhistas históricos fortalecem o PPL
29/06/2017   -- João Vicente Goulart se filiará ao PPL
14/06/2017   -- A luta pelo Brasil em um novo partido
14/06/2017   -- TSE livra chapa Dilma-Temer e vota pela ditadura da propina
14/06/2017   -- Gilmar defende impunidade para PMDB, PT e PSDB
 

 
Voltar


 Comente
 
COMENTÁRIOS:
29.06.2017
 João Vicente Goulart se filiará ao PPL.
14.06.2017
 O manual da canalhice - ou como Temer escapou no TSE.
14.06.2017
 Trabalhadores nas ruas dizem “Não” às ‘reformas’ de Temer .
14.06.2017
 Boletim do BC reduz a 0,41% previsão para o PIB este ano.
14.06.2017
 Lucro das operadoras de saúde aumentou 70% em 2016, diz ANS.
14.06.2017
 Fux: os fatos são gravíssimos .
14.06.2017
 Gilmar defende impunidade para PMDB, PT e PSDB.
14.06.2017
 TSE livra chapa Dilma-Temer e vota pela ditadura da propina.
18.05.2017
 Parente corta investimentos e privatiza Campo do Azulão.
19.05.2017
 Com manifestações e panelaço, povo vai às ruas após divulgação de gravações de Temer .
19.05.2017
 Molon protocola pedido de impeachment.
19.05.2017
 JBS: Mantega recebia a propina e distribuía.
19.05.2017
 Agendas e foto desmentem Lula.
19.05.2017
 Okamoto e Vaccari na agenda de Léo Pinheiro.
[+ Notícias]

Correio Eletrônico: pplrs@pplrs.org.br