Você está em: Home >> Notícias >> Estrangeiros adquirem empresas nacionais e produção industrial cai
 
- Procurar Notícias  
 
 
 
01/06/2012 | Estrangeiros adquirem empresas nacionais e produção industrial cai

Na segunda-feira não escapou nem churrascaria

A produção industrial caiu -0,2% em abril, comparada a março, e -2,9% em relação a de abril de 2011: a oitava queda seguida nessa última comparação.

O resultado foi divulgado pelo IBGE no dia 31.

No ano, a queda na produção física da indústria está em -2,8%, principalmente na fabricação de: veículos (-17,9%); equipamentos de comunicações (-14%); vestuário (-13,5%); máquinas, aparelhos e materiais elétricos (-9,3%); têxteis (-7,6%); equipamentos de informática (-7,4%); borracha e plástico (-5,3%); medicamentos (-5,1%); produtos de metal (-4,7%); metalurgia básica (-4%); e calçados (-3,4%).

Já levantamos aqui os problemas advindos da devastação da cadeia produtiva, imposta por aumentos de juros irracionais e tresloucada taxa de câmbio que, com a restrição de crédito e a contenção dos aumentos salariais, constituiu a política econômica do ano passado – que a presidente Dilma, no momento, esforça-se para corrigir.

O problema é que só existe crescimento da indústria se existir indústria – transformada em comércio de importados, pela desnacionalização, é difícil que a indústria cresça, e, por consequência, a economia, além, talvez, do chamado voo de galinha, às vezes nem isso.

Portanto, o crescimento sólido da economia implica na existência de uma indústria nacional – em outras palavras, na existência de cadeias produtivas internas. De que adianta ter um magote de montadoras multinacionais com as suas cadeias produtivas localizadas no exterior? Como setor secundário da economia, é possível conviver com elas. Mas como setor principal significa, necessariamente, descambar na estagnação – e na crise, porque não há melhor forma de importar crises para dentro do país que a de submeter a economia à dinâmica de economias em crise.

Há algum tempo, o presidente da Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (ABIMAQ), Luiz Aubert Neto, comentou uma exposição industrial do seu setor:

“... causou grande preocupação não só o crescimento exponencial do número de produtos estrangeiros (...), mas também a grande quantidade de componentes importados embarcados nas máquinas e equipamentos (…) o acelerado processo de desnacionalização (...). E quando falamos em desnacionalização, reprimarização e desindustrialização não se trata de pessimismo ou ''choro de empresário''. (…) o empresário brasileiro não deixa ou deixará de ganhar dinheiro por conta da desnacionalização, pois continuará a comercializar os produtos importados com margens até melhores do que se estivesse fabricando, porém, deixará de gerar empregos em toda a cadeia produtiva, que exigem mão de obra qualificada e que, portanto, pagam melhores salários. E quem perde com isso? A resposta é simples: o Brasil, a sociedade brasileira como um todo. Quando defendemos a indústria nacional de transformação não se trata de defender interesses de um setor em específico (repito: é possível ter margens bem melhores simplesmente com a importação), mas sim da defesa da cadeia  produtiva (que passa pela  matéria-prima, componentes, usinagem, engenharia, montagem, etc..), de maior geração de renda, de desenvolvimento tecnológico e crescimento sustentado da nação. (…). O modelo [baseado em commodities] pode até funcionar no curto prazo, mas a médio e longo prazo não se sustenta e o resultado, infelizmente, é a construção de um país que não gera renda e, consequentemente, pobre”.

Notemos que, se os empresários nacionais foram obrigados a importar componentes para sua produção, no caso das filiais de multinacionais isso não foi uma imposição do câmbio. Pelo contrário, o câmbio deformado é que foi uma imposição delas, para facilitar suas importações de componentes, pois esta faz parte de sua própria natureza de filiais de monopólios estrangeiros.

A febril feira de empresas da segunda-feira, quando não escapou nem a churrascaria Fogo de Chão (“o jeito gaúcho de fazer churrasco”), comprada por um fundo especulativo de Boston, EUA, deveria servir pelo menos para alertar que o Brasil não pode conviver com essa baderna. Certamente, foi uma demonstração concentrada do que vem ocorrendo no país, ainda que motivada pela entrada em vigor da nova lei de defesa da concorrência, que determina a análise prévia de grandes “fusões e aquisições” pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE), ao invés de depois do negócio. É verdade que isso terá pouco efeito antimonopolista enquanto o CADE for composto, como é há muito, por almofadinhas submissos a qualquer monopólio estrangeiro.

Porém, em poucas horas, além da desnacionalização do churrasco gaúcho da Fogo de Chão, a americana Armco comprou a divisão de galvanização da nacional Mangels; a também americana Fedex comprou a Cometa;  a Olam, com sede em Cingapura, comprou a Usina Açucareira Passos; a Cosan/Shell comprou a Comgás - e vendeu suas marcas de açúcar (a Shell quer a Cosan produzindo etanol); e até a chinesa State Grid, muito mal assessorada pelo Bank of America/Merrill Lynch, pegou um tasco: comprou sete linhas de transmissão elétrica de uma falida empresa espanhola.

Em suma, leitores, uma hora da xepa – só que a xepa eram as nossas empresas. Evidentemente, esses negócios estavam engatilhados há algum tempo. Mas a concentração deles na segunda-feira tem um efeito didático: é isso o que está acontecendo na economia brasileira.

Há notícias de que a presidente Dilma estaria preocupada com o baixo nível de investimento e, inclusive, analisando um corte no superávit primário (o desvio de verbas para os juros) para aumentar o investimento público.

Seria muito bom – e sejamos claros: a política do sr. Mantega de desviar um “belo primário” das verbas públicas e cortar gastos de custeio, supostamente para aumentar os investimentos, é uma completa estupidez. Evidentemente, os gastos de custeio também são um estímulo ao investimento – pela simples razão de que custeio é consumo.

Mas, sem dúvida, nada disso era para aumentar os investimentos, que, obviamente, caíram: além da desnacionalização, o outro freio ao investimento e ao crescimento é a drenagem de recursos de toda a economia para os bancos. Como diz o presidente da ABIMAQ, “... os juros pagos pelo governo (…) somados aos juros pagos pela sociedade e empresas  (financiamentos, cartão de crédito, capital de giro, cheque especial, etc.) superam os 580 bilhões de reais por ano, uma transferência brutal de renda para um único setor da economia”.

CARLOS LOPES

Publicado  no Jornal Hora do Povo, edição 3.061

 
Últimas Notícias
 
03/07/2017   -- Trabalhistas históricos fortalecem o PPL
29/06/2017   -- João Vicente Goulart se filiará ao PPL
14/06/2017   -- A luta pelo Brasil em um novo partido
14/06/2017   -- TSE livra chapa Dilma-Temer e vota pela ditadura da propina
14/06/2017   -- Gilmar defende impunidade para PMDB, PT e PSDB
 

 
Voltar


 Comente
 
COMENTÁRIOS:
29.06.2017
 João Vicente Goulart se filiará ao PPL.
14.06.2017
 O manual da canalhice - ou como Temer escapou no TSE.
14.06.2017
 Trabalhadores nas ruas dizem “Não” às ‘reformas’ de Temer .
14.06.2017
 Boletim do BC reduz a 0,41% previsão para o PIB este ano.
14.06.2017
 Lucro das operadoras de saúde aumentou 70% em 2016, diz ANS.
14.06.2017
 Fux: os fatos são gravíssimos .
14.06.2017
 Gilmar defende impunidade para PMDB, PT e PSDB.
14.06.2017
 TSE livra chapa Dilma-Temer e vota pela ditadura da propina.
18.05.2017
 Parente corta investimentos e privatiza Campo do Azulão.
19.05.2017
 Com manifestações e panelaço, povo vai às ruas após divulgação de gravações de Temer .
19.05.2017
 Molon protocola pedido de impeachment.
19.05.2017
 JBS: Mantega recebia a propina e distribuía.
19.05.2017
 Agendas e foto desmentem Lula.
19.05.2017
 Okamoto e Vaccari na agenda de Léo Pinheiro.
[+ Notícias]

Correio Eletrônico: pplrs@pplrs.org.br