Você está em: Home >> Notícias >> Empresários e centrais defendem a continuidade da queda dos juros
 
- Procurar Notícias  
 
 
01/06/2012 | Empresários e centrais defendem a continuidade da queda dos juros

As entidades empresariais e as centrais sindicais saudaram o corte de mais meio ponto percentual na taxa Selic e ressaltaram a necessidade da continuidade da redução de juros, além de outras medidas para impulsionar o setor produtivo. “A decisão do Copom de continuar a política de redução da taxa básica de juros é acertada”, avaliou a Confederação Nacional da Indústria (CNI). “O cenário externo adverso exige ações rápidas e estruturantes, e a redução dos juros é componente essencial nessas medidas. No campo interno, a inflação está em desaceleração, proporcionando ambiente positivo para uma política monetária mais ativa”, disse a entidade.

Para a Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), “o Brasil precisa recuperar a sua competitividade por meio de medidas adicionais, que ajudem a reduzir os custos de produção no país”. A Fecomercio-SP mantém a sua posição na defesa de novas reduções na taxa de juros. “A entidade reforça que novos cortes na Selic são fundamentais para reduzir os gastos com a dívida pública e liberar recursos para investimento em áreas fundamentais para o contínuo desenvolvimento do país, como infraestrutura, segurança e educação”.

O presidente em exercício da Força Sindical, Miguel Torres, ressaltou que “o governo deve continuar reduzindo a taxa Selic, combatendo, desta forma a especulação, que é um mecanismo perverso que inibe a produção, o consumo e a geração de novos postos de trabalho”.

“É necessária a continuidade da redução dos juros para equilibrar o câmbio, mas também ações que recomponham as cadeias produtivas e impeçam a entrada de investimentos diretos estrangeiros, que entram em nosso país para comprar nossas empresas, aumentando com isso as importações de insumos e componentes e, inclusive, de produtos finais. O BNDES deve direcionar seus financiamentos às empresas genuinamente nacionais, privadas e estatais, e o governo deve priorizar essas empresas em suas compras”, destacou o presidente da Central Geral dos Trabalhadores do Brasil (CGTB), Ubiraci Dantas de Oliveira (Bira).

Com a Selic a 8,5% ao ano, muda o rendimento da poupança aberta a partir de 4 de maio, segundo a regra anunciada pelo governo no começo de maio. Pela nova norma, quando a Selic estiver em 8,5% ou abaixo, a nova poupança será corrigida mensalmente por 70% da Selic, mais a TR (Taxa Referencial). Para os depósitos antes do dia 3 de maio continua a valer o modelo antigo de correção, de 0,5% mensal (ou 6,17% ao ano), mais a TR.

Publicado no Jornal Hora do Povo, edição 3.061

 
Últimas Notícias
 
18/03/2017   -- Atos dizem NÃO a Temer & súcia em defesa da Previdência e CLT
18/03/2017   -- Michel Temer, Gilmar, Rodrigo Maia e Eunício tramam contra a Lava Jato
16/03/2017   -- Não tem déficit na Previdência, o que tem é muito roubo
18/01/2017   -- Fernando Siqueira: “o acordo com Total é um ato criminoso”
18/01/2017   -- Para Ciro, conchavo PT-Temer na Câmara é uma traição imoral
 

 
Voltar


 Comente
 
COMENTÁRIOS:
18.03.2017
 Michel Temer, Gilmar, Rodrigo Maia e Eunício tramam contra a Lava Jato.
18.01.2017
 Para Ciro, conchavo PT-Temer na Câmara é uma traição imoral.
18.01.2017
 Fernando Siqueira: “o acordo com Total é um ato criminoso”.
13.12.2016
 Wagner e assessor especial de Dilma receberam suborno.
13.12.2016
 Geddel se sentia passado para trás.
13.12.2016
 Renan recebia pixuleco através de Jucá.
13.12.2016
 Padilha e Moreira Franco eram os prepostos de Temer que abasteciam PMDB da Câmara.
13.12.2016
 “PEC 55 só favorece especulador”, afirma o economista Nilson Araújo.
13.12.2016
 PEC do roubo à Previdência barra aposentadoria plena antes dos 70 .
13.12.2016
 Juros altos e sem investimentos, PIB recua 0,8% no 3º trimestre.
13.12.2016
 Governo, Congresso e STF estão podres. Eleições Gerais Já!.
23.11.2016
 Governo apresenta novo pacote de arrocho contra servidores gaúchos.
23.11.2016
 Contra a PEC 241/55 e o Pacote do Sartori.
21.10.2016
 Ipea diz que PEC 241 vai tirar 868 bilhões da assistência Social.
[+ Notícias]

Correio Eletrônico: pplrs@pplrs.com.br