Você está em: Home >> Notícias >> Prévia do BC para o PIB é menor que 2%
 
- Procurar Notícias  
 
 
20/06/2012 | Prévia do BC para o PIB é menor que 2%

O Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br), divulgado na semana passada, registrou uma variação de 0,22% em abril em relação ao mês anterior e de 0,35% no acumulado de janeiro a abril. Nos últimos 12 meses encerrados em abril, o indicado apresentou um aumento de 1,55%. Todos os números, com ajustes sazonais. O IBC-Br é considerado uma prévia do BC para o Produto Interno Bruto (PIB) – incorpora estimativas para a produção nos três setores básicos da economia (serviços, indústria e agropecuária) -, e constatou mais uma vez o fraco desempenho da economia brasileira.
O BC também anunciou também as revisões promovidas nos dados de fevereiro e março, o que só reforça o fato de que atividade econômica não dá sinais de recuperação. O IBC-Br divulgado anteriormente havia apresentado um recuo de 0,38% em fevereiro e de 0,35% em março. Com a revisão, passou para uma alta de 0,55% e para uma queda de 0,61%, respectivamente.

Por outro, o resultado de 12 meses terminados em abril (+ 1,55%) situou-se abaixo do acumulado de 12 meses encerrados em março (+ 1,8%), o menor crescimento deste março de 2010.

Os números mostram que as medidas adotadas em 2011 para desacelerar a economia, em grande parte mantida este ano, jogaram o PIB na lona. Com a exceção da taxa Selic – que vem sofrendo cortes a conta gotas desde agosto -, as demais foram mantidas, como corte no Orçamento, diminuição do investimento (-1,8% no primeiro trimestre em relação ao trimestre anterior e -2,1% em relação ao mesmo período do ano passado), queda da taxa de investimento (de 19,5% do PIB em 2010 para 19,3% em 2011 e para 18,7% no primeiro trimestre deste ano), aumento do superávit primário, congelamento dos salários do funcionalismo e dos aposentados que ganham acima de um salário mínimo pelo segundo ano consecutivo e, principalmente, aumento da desnacionalização.

O que demonstra que a redução dos juros – que precisa ser acelerada- e um câmbio mais equilibrado, por si só, não são capazes de promover o crescimento, que passa pelo fortalecimento do mercado interno (mais emprego e mais salário), acabar com a desnacionalização desenfreada e aumento do investimento público. Por isso, se faz necessário que os investimentos do BNDES sejam direcionados às indústrias genuinamente nacionais (ver matéria nesta página) e que o governo lhes dê preferência em suas encomendas.

VALDO ALBUQUERQUE

 

 
Últimas Notícias
 
03/07/2017   -- Trabalhistas históricos fortalecem o PPL
29/06/2017   -- João Vicente Goulart se filiará ao PPL
14/06/2017   -- A luta pelo Brasil em um novo partido
14/06/2017   -- TSE livra chapa Dilma-Temer e vota pela ditadura da propina
14/06/2017   -- Gilmar defende impunidade para PMDB, PT e PSDB
 

 
Voltar


 Comente
 
COMENTÁRIOS:
29.06.2017
 João Vicente Goulart se filiará ao PPL.
14.06.2017
 O manual da canalhice - ou como Temer escapou no TSE.
14.06.2017
 Trabalhadores nas ruas dizem “Não” às ‘reformas’ de Temer .
14.06.2017
 Boletim do BC reduz a 0,41% previsão para o PIB este ano.
14.06.2017
 Lucro das operadoras de saúde aumentou 70% em 2016, diz ANS.
14.06.2017
 Fux: os fatos são gravíssimos .
14.06.2017
 Gilmar defende impunidade para PMDB, PT e PSDB.
14.06.2017
 TSE livra chapa Dilma-Temer e vota pela ditadura da propina.
18.05.2017
 Parente corta investimentos e privatiza Campo do Azulão.
19.05.2017
 Com manifestações e panelaço, povo vai às ruas após divulgação de gravações de Temer .
19.05.2017
 Molon protocola pedido de impeachment.
19.05.2017
 JBS: Mantega recebia a propina e distribuía.
19.05.2017
 Agendas e foto desmentem Lula.
19.05.2017
 Okamoto e Vaccari na agenda de Léo Pinheiro.
[+ Notícias]

Correio Eletrônico: pplrs@pplrs.org.br