Você está em: Home >> Notícias >> Mantega recua de IOF para empréstimos externos
 
- Procurar Notácias  
 
 
20/06/2012 | Mantega recua de IOF para empréstimos externos

O governo publicou decreto no Diário Oficial da União (DOU) reduzindo de cinco para dois anos o prazo de cobrança de Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) de 6% para empréstimos externos. Ou seja, o governo zerou a cobrança de IOF de empréstimos no exterior com prazo superior a dois anos.

O objetivo da medida é impedir a valorização do dólar frente ao real, uma vez que a isenção acima desse período estimula os bancos e as grandes empresas a tomar empréstimos no exterior – notadamente nos EUA, Europa e Japão, com juros mais baixos que no Brasil -, aumentando a entrada de dólares, diminuindo sua cotação. Assim, a intervenção da equipe econômica é para manter a sobrevalorização do real, que subsidia as importações e encarece os produtos de exportações.

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, disse que a medida foi tomada porque não há mais excesso de liquidez (recursos). “A medida tinha sido adotada no momento em que existia muita liquidez no mercado e estava entrando muito recurso estrangeiro por intermédio desse mecanismo”, afirmou.

Segundo ele, os bancos estavam tomando muito crédito no exterior e “irrigando” a economia brasileira com o excesso de recursos. “Agora, julgamos que esse excesso de liquidez terminou e nós estamos abrindo a possibilidade para que os bancos e as empresas brasileiras voltem a tomar empréstimos no exterior sem essa taxa de IOF”, frisou.

Conforme Mantega, a medida era a única medida em cogitação até o momento e que não tem caráter permanente: “Se aumentar muito o fluxo [de capital estrangeiro], nós aumentamos o prazo de novo”.

Como as medidas do ministro não têm a mínima influência para impedir a emissão do tsunami monetário, para usar uma expressão da presidente Dilma, emitido pelos chamados países ricos – com um diferencial de juros enorme em relação ao Brasil -, é exatamente isso o que vai acontecer: aumento do fluxo de capital estrangeiro. Como de fato já aconteceu, quando foram adotadas tímidas medidas, como, por exemplo, o aumento do prazo de três para cinco anos para cobrança de IOF sobre empréstimos externos, mantendo a alíquota de 6%. Foram exatamente as supermissões - a guerra cambial, que inundou o mundo de uma avalanche de dólares, em busca das maiores taxa de juros, como a taxa Selic, por um longo período a maior do mundo – que exacerbaram o desequilíbrio do câmbio brasileiro, prejudicando a indústria e deteriorando o saldo da balança comercial.

Publicado no Jornal Hora do Povo, edição 3.066

 
Últimas Notícias
 
17/04/2018   -- Cientistas Engajados disputarão as eleições em 2018
13/03/2018   -- PPL apresenta candidatura de João Goulart Filho a presidente da República
12/03/2018   -- PPL decide: João Goulart e Léo Alves para Presidência e Vice-Presidência do Brasil
08/02/2018   -- NOTA AO POVO GAÚCHO
02/02/2018   -- Governo do RS deixa metade dos servidores sem salário
 

 
Voltar


 Comente
 
COMENTÁRIOS:
12.03.2018
 PPL decide: João Goulart e Léo Alves para Presidência e Vice-Presidência do Brasil.
02.02.2018
 Aposentados fazem desfile-protesto contra assalto à Previdência.
02.02.2018
 Gasto com juros foi de R$ 400 bilhões em 2017.
02.02.2018
 Servidores Públicos reforçam convocação de greve geral dia 19.
02.02.2018
 ALERGS não vota o pacote de Sartori.
02.02.2018
 Governo do RS deixa metade dos servidores sem salário.
02.02.2018
 Filho de Jango é lançado presidente em São Borja.
22.01.2018
 Resolução da Executiva Estadual do Partido Pátria Livre – RS.
15.01.2018
 João Vicente Goulart condena “desmoralização” do Ministério do Trabalho.
15.01.2018
 Eleição com Lula é fraude!.
15.01.2018
 Ha-Joon Chang: “O Brasil está experimentando uma das maiores desindustrializações da história da economia”.
27.11.2017
 A vice-presidente do PPL/RS recebe homenagem da ALRS alusiva à Semana da Consciência Negra.
22.11.2017
 PPL inicia campanha à presidência: “Chega de roubalheira e recessão!”.
06.10.2017
 Presidente ladrão diz que imoral é o procurador que o pegou pelo pé.
[+ Notícias]

Correio Eletrônico: pplrs@pplrs.org.br