Você está em: Home >> Notícias >> Com desnacionalização, multinacionais dominam exportações no agronegócio
 
- Procurar Notícias  
 
 
22/08/2012 | Com desnacionalização, multinacionais dominam exportações no agronegócio

Cinco empresas ligadas ao agronegócio ficaram entre as dez maiores exportadoras do país em julho. Quatro delas são multinacionais. Os dados são da Secretaria de Comércio Exterior (Secex) do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior.

Quem lidera o ranking é a norte-americana Bunge Alimentos, com US$ 654,4 milhões exportados no mês. Na lista geral, a múlti ficou em terceiro lugar, atrás apenas da Vale (US$ 2,4 bilhões) e da Petrobrás (US$ 1,8 bilhão). A estrangeira exerce controle desde a produção e a comercialização de fertilizantes, processamento de grãos, produção de alimentos, serviços portuários até a produção de açúcar e álcool.

Em seguida aparecem outras duas multinacionais norte-americanas: a Archer Daniels Midland (ADM) - maior produtora de etanol dos EUA, com US$ 533 milhões de lucros com exportações em junho, 111,7% maior do que no mesmo mês do ano passado, e a Cargill, com embarques de US$ 466,4 milhões, 20,4% a mais do que julho de 2011.

A francesa Louis Dreyfus - que comprou a Santelisa, dona de cinco usinas de açúcar -, exportou US$ 357,4 milhões, ocupando a sétima posição na lista geral. O valor das exportações foi 39,3% a mais no comparativo com o ano passado.

Já a JBS-Friboi, maior empresa de processamento de proteína animal do mundo e dona de um extenso currículo na superexploração de seus trabalhadores, registrou embarques no valor de US$ 243,6 milhões, com um aumento de 24,3% com relação ao mês no ano passado, ocupando a nona posição no ranking geral.

A incorporação da Sadia pela Perdigão, originando o a BRF – Brasil Foods, apesar de estarem com os dados separados no estudo do Secex, somam US$ 319,1 milhões em exportações no mês de julho.
Na lista das campeãs em exportação considerando os primeiros sete meses do ano, após acelerada desnacionalização com compra de terras e usinas verificada nos últimos anos, são os mesmos grupos estrangeiros que aparecem dominando o setor. A Bunge mantém a terceira colocação (também atrás da Vale e Petrobrás), com US$ 4,1 bilhões, uma alta de 9,1% em relação a igual período de 2011. Em seguida a Cargill, com US$ 2,7 bilhões e aumento de 8,4%, e a ADM, com salto de 20,6%, totalizando US$ 2,6 bilhões. A Dreyfus foi a sétima na lista geral (US$ 2,1 bilhões, crescimento de 66%), e a JBS Friboi ficou em décimo, com US$ 1,5 bilhão, o que representa queda em 0,2% em comparação com 2011.

 

 
Últimas Notícias
 
06/10/2017   -- PPL-RS: NÃO à adesão do RS ao plano do governo federal de arrocho dos estados
06/10/2017   -- RS: Sartori anuncia venda de 49% do estatal Banrisul
06/10/2017   -- Presidente ladrão diz que imoral é o procurador que o pegou pelo pé
03/07/2017   -- Trabalhistas históricos fortalecem o PPL
29/06/2017   -- João Vicente Goulart se filiará ao PPL
 

 
Voltar


 Comente
 
COMENTÁRIOS:
03.07.2017
 Trabalhistas históricos fortalecem o PPL.
29.06.2017
 João Vicente Goulart se filiará ao PPL.
14.06.2017
 O manual da canalhice - ou como Temer escapou no TSE.
14.06.2017
 Trabalhadores nas ruas dizem “Não” às ‘reformas’ de Temer .
14.06.2017
 Boletim do BC reduz a 0,41% previsão para o PIB este ano.
14.06.2017
 Lucro das operadoras de saúde aumentou 70% em 2016, diz ANS.
14.06.2017
 Fux: os fatos são gravíssimos .
14.06.2017
 Gilmar defende impunidade para PMDB, PT e PSDB.
14.06.2017
 TSE livra chapa Dilma-Temer e vota pela ditadura da propina.
14.06.2017
 A luta pelo Brasil em um novo partido.
22.05.2017
 Resolução Diretório Estadual Partido Pátria Livre RS.
18.05.2017
 Parente corta investimentos e privatiza Campo do Azulão.
19.05.2017
 Com manifestações e panelaço, povo vai às ruas após divulgação de gravações de Temer .
19.05.2017
 Molon protocola pedido de impeachment.
[+ Notícias]

Correio Eletrônico: pplrs@pplrs.org.br