Você está em: Home >> Notícias >> Governo gasta 196 bi com bancos e 4,7 bi de investimento até junho
 
- Procurar Notícias  
 
 
 
23/08/2012 | Governo gasta 196 bi com bancos e 4,7 bi de investimento até junho

Dos R$ 90,073 bilhões para investimentos, autorizados pelo Congresso Nacional, foram liberados 5,3%

Há tanta confusão no ar (e até nos aeroportos) que é difícil prestar atenção em todas, isto é, em todas que têm alguma importância. Nos últimos dias, deixamos de lado a grita em torno do “superávit primário”. Talvez porque essa grita seja algo esquisita: o governo superou a meta do primeiro semestre, para essa reserva destinada a juros, em mais de R$ 1,2 bilhão (R$ 48.085.318.000 para uma previsão de R$ 46.813.025.000; NOTA: trata-se, aqui, do superávit primário do governo central - soma dos resultados do Tesouro Nacional, Previdência e Banco Central - e não do conjunto do setor público, que inclui governos estaduais, municipais e as estatais).

Por que, então, os bancos – e sua mídia – estão reclamando e prevendo, se não houver “correção”, terríveis consequências econômicas para o país?

Os bancos não conseguiram extrair, via “superávit primário”, o mesmo que no ano passado (R$ 55.993.750.000) - e isso foi o suficiente para desencadear o terrorismo midiático-financeiro. Como se sabe, o mundo vai acabar no dia em que o governo não drenar os recursos da população para os bancos...

Trata-se de uma questão de princípio da agiotagem: sempre achacar o máximo possível - e sempre mais.

Porém, prestemos atenção nas tabelas desta página, copiadas inteiramente de dois relatórios do Tesouro (cf. STN, RREO, junho de 2012 e RREO, junho de 2011).

Na segunda coluna da primeira tabela, está o que foi efetivamente pago pelo governo no primeiro semestre deste ano (ao todo, R$ 822,210 bilhões).

Os bancos receberam, em dinheiro, no primeiro semestre, R$ 61,961 bilhões em juros e R$ 134,465 bilhões em amortizações (sem contar o refinanciamento ou rolagem da dívida, que não é em dinheiro, mas em títulos).

Portanto, somadas essas duas parcelas, os bancos receberam, em dinheiro, R$ 196,426 bilhões – nada menos que 23,89% do total que foi pago pelo governo no primeiro semestre. Se contarmos também os R$ 186,902 bilhões de rolagem (refinanciamento), a parte dos bancos chegaria a R$ 383,328 bilhões, ou seja, 46,62% dos gastos do governo no primeiro semestre deste ano.

Observemos que isto aconteceu apesar de, em valores correntes, o governo ter gasto -7,93% em juros que no mesmo período do ano passado (ver segunda tabela, última coluna).

Mas, se o pagamento de juros diminuiu quase 8%, a amortização em dinheiro subiu +208,78%.

Na prática, isso fez com que o gasto do governo com os bancos, em dinheiro, aumentasse R$ 85,578 bilhões (de R$ 110,848 bilhões em janeiro-junho de 2011 para  R$ 196,426 bilhões em janeiro-junho de 2012).

Apesar da queda no superávit primário, da queda na rolagem (-26,51%) e da queda no gasto com juros...

INVESTIR

Existe algo inestimável em não ignorar as confusões a que aludimos acima: descobrir coisas que antes não sabíamos.

É verdade que, nesse caso, já tocamos no assunto algumas vezes, mas sempre é bom (ainda que triste) constatar sua verdade.

A verba para investimentos efetivamente liberada no primeiro semestre foi 0,58% do total pago – e apenas 5,3% da verba anual aprovada pelo Congresso. Em dinheiro, o Congresso autorizou investimentos orçamentários de R$ 90,073 bilhões, mas foram liberados apenas R$ 4,774 bilhões.

E foi melhor que o ano passado: no primeiro semestre de 2011, os investimentos foram apenas 0,38% do total pago – e 4,47% do que foi aprovado pelo Congresso.

Enquanto isso, o crescimento do país caía de 7,5% (2010) para (talvez) 1,5% este ano – mas ouvimos um bocado sobre a importância do investimento, sobre como não é possível aumentar os funcionários por causa do investimento, etc., etc., etc. & mais etc., etc.

 

Fonte: Jornal Hora do Povo/Carlos Lopes

 
Últimas Notícias
 
18/03/2017   -- Atos dizem NÃO a Temer & súcia em defesa da Previdência e CLT
18/03/2017   -- Michel Temer, Gilmar, Rodrigo Maia e Eunício tramam contra a Lava Jato
16/03/2017   -- Não tem déficit na Previdência, o que tem é muito roubo
18/01/2017   -- Fernando Siqueira: “o acordo com Total é um ato criminoso”
18/01/2017   -- Para Ciro, conchavo PT-Temer na Câmara é uma traição imoral
 

 
Voltar


 Comente
 
COMENTÁRIOS:
18.03.2017
 Michel Temer, Gilmar, Rodrigo Maia e Eunício tramam contra a Lava Jato.
18.01.2017
 Para Ciro, conchavo PT-Temer na Câmara é uma traição imoral.
18.01.2017
 Fernando Siqueira: “o acordo com Total é um ato criminoso”.
13.12.2016
 Wagner e assessor especial de Dilma receberam suborno.
13.12.2016
 Geddel se sentia passado para trás.
13.12.2016
 Renan recebia pixuleco através de Jucá.
13.12.2016
 Padilha e Moreira Franco eram os prepostos de Temer que abasteciam PMDB da Câmara.
13.12.2016
 “PEC 55 só favorece especulador”, afirma o economista Nilson Araújo.
13.12.2016
 PEC do roubo à Previdência barra aposentadoria plena antes dos 70 .
13.12.2016
 Juros altos e sem investimentos, PIB recua 0,8% no 3º trimestre.
13.12.2016
 Governo, Congresso e STF estão podres. Eleições Gerais Já!.
23.11.2016
 Governo apresenta novo pacote de arrocho contra servidores gaúchos.
23.11.2016
 Contra a PEC 241/55 e o Pacote do Sartori.
21.10.2016
 Ipea diz que PEC 241 vai tirar 868 bilhões da assistência Social.
[+ Notícias]

Correio Eletrônico: pplrs@pplrs.com.br