Você está em: Home >> Notícias >> Vazamentos da Chevron foram graves, adverte ministro do STJ
 
- Procurar Notácias  
 
 
 
17/09/2012 | Vazamentos da Chevron foram graves, adverte ministro do STJ

Felix Fischer rejeitou o pedido da ANP para suspender a proibição da múlti operar no país

   O Superior Tribunal de Justiça (STJ) manteve na quarta-feira (12) a decisão judicial que proíbe a petrolífera americana Chevron e a também americana Transocean de operarem no Brasil.

A Chevron foi responsável por dois vazamentos de óleo ocorridos em novembro do ano passado e em março deste ano. Vazaram 3,7 mil litros de óleo cru no Campo do Frade, na Bacia de Campos (RJ).

A decisão proibindo as duas empresas de atuarem no país foi tomada pelo Tribunal Regional Federal da 2ª Região por conta dos vários crimes cometidos pelas empresas. A manutenção da liminar com a proibição vai valer até a conclusão dos processos administrativos instaurados pelo MPF e pela Agência Nacional do Petróleo.

O pedido para que a Chevron fosse impedida de atuar no Brasil foi feito por meio de ação civil pública ajuizada pelo Ministério Público Federal (MPF). O ministro Felix Fischer, presidente do STJ, rejeitou o pedido feito pelo Agência Nacional do Petróleo (ANP) para que fosse retirada a proibição. À época do vazamento, os procuradores pediram indenização de US$ 20 bilhões da Chevron e da Transocean. O Tribunal Regional Federal (TRF) da 2ª Região, no Rio, determinou a suspensão das duas companhias e multas de US$ 244 milhões por dia em caso de descumprimento da decisão.

Felix Fischer não acolheu os argumentos da ANP. O presidente do STJ lembrou dos dois acidentes ambientais, os quais considerou “graves”, e a falta de condições apresentadas para a implantação do plano de abandono do poço: “nota-se não ter sido descabida a interferência do Poder Judiciário, que, com sua atuação, visou exclusivamente tutelar o meio ambiente”.

O ministro destacou que a decisão proferida pelo TRF-2 buscou, exatamente, a proteção do meio-ambiente – argumento contra-atacado no pedido pela ANP: “A combatida decisão não apenas consagrou o princípio da precaução, como também, conferiu eficácia ao princípio da prevenção, haja vista o conhecimento notório dos danos que podem advir da atividade interrompida, tudo isso em homenagem ao princípio do desenvolvimento sustentável, vetor do direito ambiental, previsto no texto constitucional”.

Felix Fischer, por fim, consignou que a ANP não demonstrou objetivamente os valores que caracterizariam a grave lesão ou mesmo a iminência de significativo prejuízo aos cofres públicos caso seja mantida a decisão que determinou a suspensão das atividades da Chevron e da Transocean.

A Chevron divulgou nota dizendo-se “desapontada” com a decisão do STJ que manteve-a afastada da produção no Brasil. Na nota, a petroleira informou que “irá buscar todos os meios à sua disposição para reverter a liminar e demonstrar que a empresa sempre agiu de forma apropriada e diligente”. Para o juiz federal Ricardo Perlingeiro, que acompanhou o caso à época do vazamento, o desapontamento não procede porque “a Chevron foi negligente e escondeu informações das autoridades”.

“A ocorrência de dois acidentes ambientais em quatro meses e a ausência de equipamentos necessários para identificar a origem dos vazamentos para contê-los demonstram que as empresas não têm condições no momento de operar os poços com segurança ambiental”, disse Perlingeiro. Além disso, segundo o juiz, a Chevron falsificou laudos e dificultou a ação dos órgãos de fiscalização durante os desastres ocorridos em novembro de 2011 e março de 2012.

 
 

Publicado no Jornal Hora do Povo, edição 3.091

 
Últimas Notícias
 
17/04/2018   -- Cientistas Engajados disputarão as eleições em 2018
13/03/2018   -- PPL apresenta candidatura de João Goulart Filho a presidente da República
12/03/2018   -- PPL decide: João Goulart e Léo Alves para Presidência e Vice-Presidência do Brasil
08/02/2018   -- NOTA AO POVO GAÚCHO
02/02/2018   -- Governo do RS deixa metade dos servidores sem salário
 

 
Voltar


 Comente
 
COMENTÁRIOS:
12.03.2018
 PPL decide: João Goulart e Léo Alves para Presidência e Vice-Presidência do Brasil.
02.02.2018
 Aposentados fazem desfile-protesto contra assalto à Previdência.
02.02.2018
 Gasto com juros foi de R$ 400 bilhões em 2017.
02.02.2018
 Servidores Públicos reforçam convocação de greve geral dia 19.
02.02.2018
 ALERGS não vota o pacote de Sartori.
02.02.2018
 Governo do RS deixa metade dos servidores sem salário.
02.02.2018
 Filho de Jango é lançado presidente em São Borja.
22.01.2018
 Resolução da Executiva Estadual do Partido Pátria Livre – RS.
15.01.2018
 João Vicente Goulart condena “desmoralização” do Ministério do Trabalho.
15.01.2018
 Eleição com Lula é fraude!.
15.01.2018
 Ha-Joon Chang: “O Brasil está experimentando uma das maiores desindustrializações da história da economia”.
27.11.2017
 A vice-presidente do PPL/RS recebe homenagem da ALRS alusiva à Semana da Consciência Negra.
22.11.2017
 PPL inicia campanha à presidência: “Chega de roubalheira e recessão!”.
06.10.2017
 Presidente ladrão diz que imoral é o procurador que o pegou pelo pé.
[+ Notícias]

Correio Eletrônico: pplrs@pplrs.org.br