Você está em: Home >> Notícias >> OccupyWallStreet
 
- Procurar Notícias  
 
 
 
11/10/2011 | OccupyWallStreet

Acesse o site do movimento que vem levando milhares de americanos às ruas, na luta contra a especulação financeira e por emprego. Clique AQUI para ver.

 

Saiba mais:

 

Marcha a Wall Street tem apoio de 15 sindicatos e da central AFL-CIO

 

Multidão tomou as ruas de Nova Iorque pelo fim dos privilégios do sistema financeiro, por uma política de geração de empregos e contra as guerras.

 

Com o apoio de 15 sindicatos, dos estudantes universitários e de dezenas de entidades e organizações sociais, o movimento "Ocupem Wall Street" voltou a tomar o centro de Nova Iorque na quarta-feira (5), quatro dias após a detenção de 700 manifestantes, agora com mais de dez mil pessoas nas ruas. Ocorreram ainda atos em Boston, Seattle e Hartford, prosseguindo os atos que já se estendem por mais de 50 cidades.

 

Nesta sexta-feira o acampamento completa três semanas, contra a ganância dos bancos, por uma política de geração de empregos; pelo fim das guerras, que Obama prometeu acabar e não cumpriu; pelo fim dos privilégios das corporações financeiras e dos armamentos, e todas as demais; contra o contínuo aumento das armas de destruição em massa pelo governo dos EUA e por mudanças fundamentais para 99% da população norte-americana. (Ver matéria do cineasta Michael Moore na página 7).

 

No país de 25 milhões de desempregados, um coro ainda mais alto de "All day, all week, occupy Wall Street" [O dia todo, a semana toda, ocupem Wall Street] e "Somos os 99%" foi ouvido na Praça Foley, perto da prefeitura. Os acampados se deslocaram desde a Praça Liberty, nas imediações da Bolsa de Nova Iorque, até se encontrarem com as colunas de trabalhadores convocados pelos sindicatos e entidades. Os manifestantes empunhavam cartazes como "façam postos de trabalho e não cortes" e "cobrem imposto de Wall Street".

 

Centenas de estudantes universitários deixaram as aulas para engrossar o ato. Trabalhadores metalúrgicos, dos transportes, de serviços, professores, enfermeiras, aposentados, mutuários e desempregados participaram. Entre as organizações sociais, a Answer, a MoveOn.org e a Coalizão dos Sem Teto. Houve protestos em cinco campi da Universidade de Nova Iorque e uma centena em universidades no país inteiro.

 

A central sindical AFL-CIO também se fez presente e o presidente Richard Trumka divulgou no site da entidade mensagem em que afirma que "o Ocupem Wall Street capturou a imaginação e paixão de milhões de americanos que tinham perdido a esperança". "Nós apoiamos os manifestantes em sua determinação de imputar Wall Street e criar bons empregos".

 

"Estes jovens estão falando pela vasta maioria de americanos que estão frustrados pelos banqueiros e especuladores", afirmou o presidente do sindicato de transportes Atwu, Larry Hanley. "Enquanto nós batalhamos duro dia após dia, mês após mês, os milionários e bilionários de Wall Street se aboletam, sem serem penalizados, e pontificam sobre o nível do nosso sacrifício".

 

Michael Mulgrew, presidente da Federação Unida dos Professores, que representa 200 mil mestres, disse aos manifestantes que "a forma como nossa sociedade é dirigida não funciona para 99% das pessoas, assim, quando o Ocupem Wall Street começou, captou isso e foi capaz de gerar um debate nacional que nós pensamos que há anos precisava ser instaurado".

 

"Somos os indignados de Nova Iorque, os indignados dos Estados Unidos, os indignados do mundo", definiu o secretário do Sindicato dos Trabalhadores em Serviços, Hector Figueroa. No final da noite, a polícia voltou a realizar prisões e lançar spray de pimenta contra manifestantes, deixando claro que, as liberdades de expressão e manifestação nos EUA são mera fantasia quando o exercício destes direitos questionam os privilégios dos banqueiros, dos especuladores e dos monopólios. Como agora na praça Liberty Plaza e na ponte do Brooklin, em Nova Iorque, quando, os manifestantes são espancados e presos e o monopólio de mídia tenta abafar as manifestações sob uma cortina de silêncio, que apenas começa a ser rompida após quase 20 dias de persistência dos manifestantes e ampliação do apoio ao acampamento em Wall Street.

 
Últimas Notícias
 
06/10/2017   -- PPL-RS: NÃO à adesão do RS ao plano do governo federal de arrocho dos estados
06/10/2017   -- RS: Sartori anuncia venda de 49% do estatal Banrisul
06/10/2017   -- Presidente ladrão diz que imoral é o procurador que o pegou pelo pé
03/07/2017   -- Trabalhistas históricos fortalecem o PPL
29/06/2017   -- João Vicente Goulart se filiará ao PPL
 

 
Voltar


 Comente
 
COMENTÁRIOS:
03.07.2017
 Trabalhistas históricos fortalecem o PPL.
29.06.2017
 João Vicente Goulart se filiará ao PPL.
14.06.2017
 O manual da canalhice - ou como Temer escapou no TSE.
14.06.2017
 Trabalhadores nas ruas dizem “Não” às ‘reformas’ de Temer .
14.06.2017
 Boletim do BC reduz a 0,41% previsão para o PIB este ano.
14.06.2017
 Lucro das operadoras de saúde aumentou 70% em 2016, diz ANS.
14.06.2017
 Fux: os fatos são gravíssimos .
14.06.2017
 Gilmar defende impunidade para PMDB, PT e PSDB.
14.06.2017
 TSE livra chapa Dilma-Temer e vota pela ditadura da propina.
14.06.2017
 A luta pelo Brasil em um novo partido.
22.05.2017
 Resolução Diretório Estadual Partido Pátria Livre RS.
18.05.2017
 Parente corta investimentos e privatiza Campo do Azulão.
19.05.2017
 Com manifestações e panelaço, povo vai às ruas após divulgação de gravações de Temer .
19.05.2017
 Molon protocola pedido de impeachment.
[+ Notícias]

Correio Eletrônico: pplrs@pplrs.org.br