Você está em: Home >> Notícias >> Eduardo Campos rebate Aécio e diz que ambos têm ''projetos distintos''
 
- Procurar Notícias  
 
 
06/05/2014 | Eduardo Campos rebate Aécio e diz que ambos têm ''projetos distintos''

O ex-governador de Pernambuco e pré-candidato à presidência pelo PSB, Eduardo Campos, disse neste domingo (4) que não se vê fazendo parte do mesmo projeto que Aécio Neves (PSDB), conforme o senador havia declarado na sexta-feira (2). “A gente tem projetos que são distintos, que tem base política e social distinta”, afirmou Campos neste após participar de um seminário da juventude promovido pelo Partido Pátria Livre (PPL), no Rio de Janeiro.

Em evento que reuniu pré-candidatos ao governo federal no interior da Bahia na última sexta, Aécio Neves sugeriu formar com Campos e Marina Silva, a partir de 2015, o “mesmo projeto de construção desse novo país”.

No seminário deste domingo, Campos destacou que ele e Aécio tem ideias diferentes e citou como exemplo a posição de ambos em relação a direitos trabalhistas e à maioridade penal. “Isso não impede que nós tenhamos a capacidade de ver o que nos une do ponto de vista dos interesses do nosso país. Mas nós estamos oferecendo caminhos que são distintos ao futuro do país”, disse.

As críticas ao governo petista, no entanto, seguem em consonância nos discursos de Campos e Aécio Neves. Ao discursar para um grupo de cerca de 150 jovens na Escola de Educação Física e Desportos da Universidade Federal do Rio de Janeiro, o ex-governador pernambucano falou que é preciso “tirar de Brasília aquela velharia que já tirou tudo que podia e impede o Brasil de crescer”.

Campos falou muito da necessidade de retomada do crescimento econômico do país que, segundo ele, tem sido prejudicada pela constante elevação dos juros, retomada da inflação e congelamento dos salários.

O ex-governador criticou também a postura da presidente Dilma de "romper o diálogo com a sociedade civil". Para ele, o projeto petista caiu em descrença e o povo clama por nova esperança política já que a presidente “ficou completamente distante e deixou de promover uma reforma política e reconduzir o país a um outro padrão de governança”.

Questionado se aceitaria apoio de Aécio para um eventual segundo turno, Campos se esquivou. “Eu acho que numa eleição de dois turnos, durante o primeiro turno a gente só fala do primeiro turno. Eu tenho certeza que vou estar no segundo turno e eu não sei a essa altura quem vai estar no segundo turno para disputar a eleição comigo. Você pode ter até um cenário em que eu e Aécio possamos estar no segundo turno”, disse.

No evento do PPL, Campos foi aclamado “presidente” pelos jovens militantes, que disseram ver nas propostas dele a possibilidade de investimentos na escola pública. Educação é o principal argumento da campanha do ex-governador pernambucano, que implantou o ensino integral na rede pública do estado.

Nota PSDB

Em nota divulgada na noite deste domingo, o PSDB afirma que a declaração de Eduardo Campos não difere do discurso de Aécio Neves sobre a possibilidade de uma atuação conjunta no futuro.

"O que o governador Eduardo Campos disse é exatamente o que o senador Aécio Neves tem dito: existe um grande espaço comum de atuação das oposições, mas é claro que há diferenças. Até porque se não houvesse, não haveria a necessidade de duas candidaturas", diz a nota assinada pelo vice-presidente do PSDB Cássio Cunha Lima.

O tucano esclareceu que Aécio Neves é a favor da redução da maioridade penal para 16 anos em casos "específicos", como na prática de crime hediondo e reincidência, e que defende a manutenção das leis trabalhistas. "Mas busca, no diálogo entre trabalhadores e patrões de setores específicos de atividades sazonais, condições que possam viabilizar melhores condições de empregabilidade", acrescentou Cunha Lima.

Na nota, o PSDB diz ainda entender que Campos reconheceu, em suas declarações deste domingo, que "há espaço para a busca de convergências". "Ambos, Aécio e Eduardo, praticam a boa política, porque não fogem do debate que interessa ao país como tem feito a presidente", conclui Cunha Lima.

Fonte: G1 04/05/2014

 
Últimas Notícias
 
03/07/2017   -- Trabalhistas históricos fortalecem o PPL
29/06/2017   -- João Vicente Goulart se filiará ao PPL
14/06/2017   -- A luta pelo Brasil em um novo partido
14/06/2017   -- TSE livra chapa Dilma-Temer e vota pela ditadura da propina
14/06/2017   -- Gilmar defende impunidade para PMDB, PT e PSDB
 

 
Voltar


 Comente
 
COMENTÁRIOS:
29.06.2017
 João Vicente Goulart se filiará ao PPL.
14.06.2017
 O manual da canalhice - ou como Temer escapou no TSE.
14.06.2017
 Trabalhadores nas ruas dizem “Não” às ‘reformas’ de Temer .
14.06.2017
 Boletim do BC reduz a 0,41% previsão para o PIB este ano.
14.06.2017
 Lucro das operadoras de saúde aumentou 70% em 2016, diz ANS.
14.06.2017
 Fux: os fatos são gravíssimos .
14.06.2017
 Gilmar defende impunidade para PMDB, PT e PSDB.
14.06.2017
 TSE livra chapa Dilma-Temer e vota pela ditadura da propina.
18.05.2017
 Parente corta investimentos e privatiza Campo do Azulão.
19.05.2017
 Com manifestações e panelaço, povo vai às ruas após divulgação de gravações de Temer .
19.05.2017
 Molon protocola pedido de impeachment.
19.05.2017
 JBS: Mantega recebia a propina e distribuía.
19.05.2017
 Agendas e foto desmentem Lula.
19.05.2017
 Okamoto e Vaccari na agenda de Léo Pinheiro.
[+ Notícias]

Correio Eletrônico: pplrs@pplrs.org.br