Você está em: Home >> Notícias >> Coligação de Eduardo e Marina inicia caminhada para país voltar a crescer
 
- Procurar Notícias  
 
 
 
03/07/2014 | Coligação de Eduardo e Marina inicia caminhada para país voltar a crescer

 Coligação Unidos pelo Brasil - PSB, REDE, PPS, PPL, PHS e PRP - oficializa chapa com festa que reuniu mil delegados

Por aclamação e em clima de muita festa, quase mil delegados dos partidos que integram a Coligação Unidos pelo Brasil (PSB, REDE Sustentabilidade, PPL, PPS, PRP e PHS) formalizaram no sábado (28), em Brasília, o apoio à candidatura de Eduardo Campos (PSB) à presidência da República e da vice Marina Silva.

Eduardo Campos fez críticas à atual política econômica, assumiu um conjunto de compromissos e pediu para ser cobrado ao final de sua gestão, daqui a quatro anos. "Vamos enfrentrar o atoleiro em que se meteu a nossa economia. Nós vamos devolver o Brasil para os brasileiros. O Brasil tem jeito e quem vai dar jeito no Brasil é o povo", disse o candidato. "Vamos retomar o desenvolvimento sustentado do Brasil", garantiu Eduardo, muito aplaudido pelos convencionais de todo o Brasil.

Dirigentes, delegados, militantes e simpatizantes vieram das mais diversas regiões do país. "Eu e Eduardo temos a alegria de fazer esse encontro na mesma data em que completamos nove meses de aliança", disse Marina Silva, candidata a vice-presidente. "É exatamente como uma gestação e hoje podemos dizer: nossa criança nasceu", acrescentou a ex-senadora. "Nossa aliança caminhará orientada pela carta dos brasileiros, que querem a mudança", disse Marina. A vice voltou a defender a mudança do atual modelo econômico "predatório" para um sistema sustentável de desenvolvimento.

Em um discurso contundente, Eduardo disse que sua missão será "governar o Brasil ao lado do sonho do povo brasileiro". "O sonho de construir um país mais fraterno e mais equilibrado". "Sempre que o país precisou mudar, e mudar para melhor, deu oportunidade para as políticas renovadoras. As forças que se revezam no poder há 20 anos tentam convencer o povo de que agora vão fazer diferente. Mas todos nós sabemos que eles já perderam a energia renovadora pois se deixaram dominar pelo cerco das velhas elites, que já não dão conta da agenda da sociedade brasileira", destacou.

"O Brasil que ir adiante. Quer um governo que garanta o desenvolvimento sustentável desse país. O nosso governo vai unir o Brasil. Só unido o Brasil poderá enfrentar os grandes desafios que permanecem sem solução. Rejeitamos a inércia e o conformismo. Colocamos adiante a nossa indignação, mas colocamos sobretudo os nossos sonhos. O sonho de um país mais justo e equilibrado", prosseguiu Eduardo.

O candidato fez duras críticas à condução da política econômica pelo atual governo. "Basta ver os números de hoje, que consegue combinar baixo crescimento com inflação cronicamente alta e juros no espaço", denunciou. "Não dá mais para continuar a indústria em queda, as contas públicas fragilizadas. O país não pode permanecer numa situação que nós não merecemos. Principalmente depois de tanto esforço de todos os brasileiros. Vamos inverter essa equação perversa. Vamos retomar o crescimento sustentado da economia brasileira. Vamos botar a inflação para baixo e o crescimento para cima", prometeu. "Vamos fazer isso retomando a confiança do Brasil no Brasil", disse Campos, sob intensos aplausos dos delegados.

Em coro, a plateia cantava animada: "Coragem pra mudar o Brasil! Com Eduardo e Marina!" e "Brasil, pra frente! Eduardo Presidente!". Com as bandeiras dos partidos tremulando no plenário, Eduardo Campos seguiu empolgando os convencionais e militantes que lotaram o plenário do Centro de Convenções, em Brasília. "Que este país se encontre com seu destino de ser uma grande pátria para seu povo", conclamou Eduardo. "Vamos buscar o desenvolvimento sustentável. Vamos cuidar das políticas sociais que devolvam a qualidade de vida que a sociedade está perdendo no campo e na cidade", prometeu o ex-governdor de Pernambuco. "Só unido o Brasil terá a força para acabar com o apartheid da educação", prosseguiu. O candidato prometeu que "no nosso governo todas as crianças e jovens terão vaga numa boa escola pública em período integral". "Nós temos em Pernambuco mais escolas em tempo integral do que São Paulo, Rio e Minas juntos. Vamos fazer no Brasil o que fizemos em nosso estado", garantiu.

"Quem quer andar rumo a um Brasil mais justo não pode ficar olhando para trás. Não pode achar que a eleição, daqui a quatro meses, será uma disputa do passado com o passado. As conquistas do passado serão garantidas no nosso governo. Vamos acabar com essa política do medo, de difamação, que se arrasta pelo Brasil a fora, de que em nosso governo vamos acabar com o Bolsa Família. No nosso governo nós vamos acabar é com a corrupção", garantiu. "Nosso governo vai manter o Minha Casa, Minha Vida, o Bolsa Família e o Programa Universidade para Todos (ProUni), além da estabilidade econômica. As conquistas do passado serão garantidas no nosso governo", ressaltou.

O candidato do PSB defendeu também a reforma tributária e disse que vai "colocar a carga tributária numa descendente". "Nessa reforma tributária vamos salvar os municípios brasileiros que estão de joelhos, mendigando, em Brasília, favores e migalhas", afirmou Eduardo.

Discursaram também os presidentes dos demais partidos que compõem a coligação, com destaque para o presidente do PPL, Sérgio Rubens Torres (ver na página 8), que alertou os presentes para o fato do país estar com sua economia sendo destruída pelo atual governo. "País que não cresce, não resolve os problemas de seu povo", afirmou Sérgio Rubens. Já Roberto Freire, presidente PPS, disse que a disputa eleitoral deste ano vai exigir mais dos candidatos e que os partidos que integram a chapa "Unidos pelo Brasil" precisam consolidar um programa que reflita a mudança proposta pela junção das legendas. Falaram também os presidenrtes do PHS e do PRP. Após a convenção, as delegações se mantiveram em frente aos telões para assistirem ao vitorioso jogo do Brasil com a seleção do Chile.

Fonte: Hora do povo/Sérgio Cruz

 

 
Últimas Notícias
 
18/03/2017   -- Atos dizem NÃO a Temer & súcia em defesa da Previdência e CLT
18/03/2017   -- Michel Temer, Gilmar, Rodrigo Maia e Eunício tramam contra a Lava Jato
16/03/2017   -- Não tem déficit na Previdência, o que tem é muito roubo
18/01/2017   -- Fernando Siqueira: “o acordo com Total é um ato criminoso”
18/01/2017   -- Para Ciro, conchavo PT-Temer na Câmara é uma traição imoral
 

 
Voltar


 Comente
 
COMENTÁRIOS:
18.03.2017
 Michel Temer, Gilmar, Rodrigo Maia e Eunício tramam contra a Lava Jato.
18.01.2017
 Para Ciro, conchavo PT-Temer na Câmara é uma traição imoral.
18.01.2017
 Fernando Siqueira: “o acordo com Total é um ato criminoso”.
13.12.2016
 Wagner e assessor especial de Dilma receberam suborno.
13.12.2016
 Geddel se sentia passado para trás.
13.12.2016
 Renan recebia pixuleco através de Jucá.
13.12.2016
 Padilha e Moreira Franco eram os prepostos de Temer que abasteciam PMDB da Câmara.
13.12.2016
 “PEC 55 só favorece especulador”, afirma o economista Nilson Araújo.
13.12.2016
 PEC do roubo à Previdência barra aposentadoria plena antes dos 70 .
13.12.2016
 Juros altos e sem investimentos, PIB recua 0,8% no 3º trimestre.
13.12.2016
 Governo, Congresso e STF estão podres. Eleições Gerais Já!.
23.11.2016
 Governo apresenta novo pacote de arrocho contra servidores gaúchos.
23.11.2016
 Contra a PEC 241/55 e o Pacote do Sartori.
21.10.2016
 Ipea diz que PEC 241 vai tirar 868 bilhões da assistência Social.
[+ Notícias]

Correio Eletrônico: pplrs@pplrs.com.br