Você está em: Home >> Notícias >> PPL inicia campanha à presidência: “Chega de roubalheira e recessão!”
 
- Procurar Notácias  
 
 
 
22/11/2017 | PPL inicia campanha à presidência: “Chega de roubalheira e recessão!”

Em reunião de seu Diretório Nacional, ocorrida no último fim de semana, em São Paulo, o Partido Pátria Livre (PPL) decidiu intensificar a luta contra a política antinacional e antipopular do governo Temer e preparar seus militantes para as eleições de 2018. Em seu informe político, o presidente do partido, Sérgio Rubens, salientou que a política neoliberal que vem destruindo o país foi intensificada por Dilma Rousseff e está sendo aprofundada por seu vice, Michel Temer, com apoio do PSDB.

Segundo o dirigente do PPL, “é preciso compreender os motivos que levaram o PT a uma adesão completa às teses neoliberais”. “A crise do centro capitalista, em 2008, que se espalhou pela Europa e Japão, apesar de debilitar o imperialismo, fez com que sua pressão sobre a periferia, para compensar as perdas, aumentasse. O governo do PT não suportou a pressão e acabou sendo  vergonhosamente cooptado para defender os interesses dos monopólios financeiros internacionais”, afirmou Sérgio.

“O que havia de positivo no governo Lula, como o fim da Alca, a paralisação das privatizações e alguma retomada dos investimentos públicos, foi abandonado por sua sucessora, e com o seu aval”, acrescentou. “Depois, num ambiente de economia sufocada pelos juros altos, eles decidiram entregar portos, aeroportos, estradas e o setor de energia, inclusive o maior campo de petróleo do mundo, tudo para atrair o capital monopolista estrangeiro, e assim semearam a crise que estamos vivendo”, disse o dirigente do Pátria Livre.

Em seu processo de adesão ao neoliberalismo, Lula e seu partido passaram, segundo Sérgio Rubens, “a assaltar estatais como faziam os tucanos do PSDB, porém de forma cada vez mais atrevida e grotesca”.

O PPL avaliou que é o momento de lançar uma candidatura própria para a Presidência da República. Uma candidatura que represente uma alternativa a tudo isso que está aí. O partido considera que a crise política, econômica, social e moral que tomou conta do país, tem origem no fato de que os partidos que ocuparam o poder nos últimos 23 anos, primeiro o PSDB, depois o PT e agora o PMDB, defendem hoje o mesmo o projeto neoliberal e que, para se perpetuarem no poder, criaram mecanismos de corrupção de dimensões até então inimagináveis.

Contando com a presença de lideranças de diversos setores da sociedade, entre eles os dirigentes sindicais da COBAP, da CGTB e de entidades como a COBRAPOL (Confederação Brasileira de Trabalhadores Policiais Civis), a reunião do PPL analisou as alternativas para a disputa presidencial. Esteve também presente na reunião Luís Boudens, presidente da Federação Nacional dos Policiais Federais (FENAPEF).

Quatro importantes lideranças colocaram seus nomes à disposição do partido para uma possível candidatura presidencial: Marcelo Monteiro, dirigente do Partido Popular de Liberdade de Expressão Afro-Brasileira, organização partidária em processo de fusão com o PPL;  o jurista e professor Léo da Silva Alves, coordenador do  Movimento Cívico Nacional; João Vicente Goulart, filho do ex-presidente Jango; e Ildo Sauer, diretor do Instituto de Energia da USP.

O Diretório Nacional decidiu pedir aos quatro para percorrerem o Brasil debatendo com o povo as propostas e alternativas do partido. Esse debate seria mantido até final de março quando, então, será realizado o Congresso Nacional do partido. Neste momento será, então, escolhido o candidato que representará o partido nas eleições presidenciais de 2018.

Foi feito também um debate sobre o caráter antidemocrático dessas eleições, principalmente após a aprovação de medidas como o fundo eleitoral – que destina a quase totalidade dos recursos para os partidos que estiveram envolvidos com os carteis e seus esquemas de propinas – e as cláusulas de barreira, que visam dificultar ao máximo o trabalho dos novos partidos. O PPL concluiu que está em boas condições de ser vitorioso e de superar todas as barreiras ao seu projeto de desenvolvimento nacional.

Fonte: Jornal Hora do Povo/Sérgio Cruz

 

 
Últimas Notícias
 
08/02/2018   -- NOTA AO POVO GAÚCHO
02/02/2018   -- Governo do RS deixa metade dos servidores sem salário
02/02/2018   -- Filho de Jango é lançado presidente em São Borja
02/02/2018   -- ALERGS não vota o pacote de Sartori
02/02/2018   -- Servidores Públicos reforçam convocação de greve geral dia 19
 

 
Voltar


 Comente
 
COMENTÁRIOS:
02.02.2018
 Aposentados fazem desfile-protesto contra assalto à Previdência.
02.02.2018
 Gasto com juros foi de R$ 400 bilhões em 2017.
02.02.2018
 Servidores Públicos reforçam convocação de greve geral dia 19.
02.02.2018
 ALERGS não vota o pacote de Sartori.
02.02.2018
 Governo do RS deixa metade dos servidores sem salário.
15.01.2018
 João Vicente Goulart condena “desmoralização” do Ministério do Trabalho.
15.01.2018
 Eleição com Lula é fraude!.
15.01.2018
 Ha-Joon Chang: “O Brasil está experimentando uma das maiores desindustrializações da história da economia”.
27.11.2017
 A vice-presidente do PPL/RS recebe homenagem da ALRS alusiva à Semana da Consciência Negra.
22.11.2017
 PPL inicia campanha à presidência: “Chega de roubalheira e recessão!”.
06.10.2017
 Presidente ladrão diz que imoral é o procurador que o pegou pelo pé.
06.10.2017
 RS: Sartori anuncia venda de 49% do estatal Banrisul.
06.10.2017
 PPL-RS: NÃO à adesão do RS ao plano do governo federal de arrocho dos estados.
03.07.2017
 Trabalhistas históricos fortalecem o PPL.
[+ Notícias]

Correio Eletrônico: pplrs@pplrs.org.br